Observatório Social de Foz divulga ações do quadrimestre

(ACIFI, em 1 de junho de 2011)

Na noite desta segunda-feira, dia 30, a diretoria do Observatório Social de Foz do Iguaçu (OSFI) fez um balanço público das ações desenvolvidas no primeiro quadrimestre deste ano (janeiro a abril). A apresentação foi aberta pelo presidente do OSFI, Padre Giuliano Inzis, e a exposição dos trabalhos foi realizada pelo Conselheiro Fiscal do OSFI, Antônio Derseu de Paula.
Conforme o diretor, nos primeiros quatro meses deste ano, os diretores voluntários e o único colaborador contratado pelo OSFI, Fernando Portinho, acompanharam nada menos que quatorze processos como tomada de preços, pregões, licitações e concorrências públicas da Prefeitura e da Câmara Municipal. Como resultado desse acompanhamento, foram enviadas dezenove manifestações com a síntese das análises feitas pelo OSFI, organização não–governamental que visa garantir a boa aplicação dos recursos públicos.
Em função dessas manifestações, embasadas em comparativos de cotações de preços no mercado feita pelo OSFI, dois editais com indícios de irregularidades foram impugnados.
Na oportunidade, Derseu de Paula enfatizou a importância de se ampliar a rede de voluntários para ampliar a atuação do OSFI, bem como da rede de mantenedores para garantir sua continuidade. Ele lembrou que, por ação de conscientização da coordenação do Conselho Político – integrado por 24 entidades representativas da sociedade -, o número de mantenedores aumentou, e consequentemente, sua arrecadação. No entanto, para garantir a manutenção do OSFI são necessários R$ 10 mil. 
Beatriz Rodrigues, diretora do OSFI, também participou da prestação de contas feita para um público de mais de 90 empresários, da presidente da ACIFI, Elizangela de Paula Kuhn, do presidente do Conselho Superior Deliberativo da associação, Danilo Vendruscolo, e diversos diretores e conselheiros da entidade.
Também acompanharam a apresentação autoridades convidadas, como o presidente da Câmara de Foz, Edílio Dall´Agnoll, do vereador Nilton Bobato, do secretário de Administração, Lincoln Barros Sousa, e de diretores como Etelvina de Fátima Maciel e Celso Rios, dentre outros.