ACIFI COMEMORA CONQUISTA DO X GAMES

(ACIFI, em 4 de maio de 2012)

O presidente da Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu – ACIFI, Roni Temp, acompanhou o anúncio oficial da conquista da cidade para sediar no Brasil o X Games (ou Extreme Games), disputada com São Paulo e Rio de Janeiro e, em outros países, com cidades como Sydney (Austrália), Moscou (Rússia), Lisboa (Portugal) e Dubai (Emirados Árabes). O anúncio oficial das cidades-sede aconteceu no feriado de 1º de Maio.
Os X Games, maior campeonato mundial de esportes radicais. “Foz ganha muito com este evento, pois é mais um canal para divulgação internacional da nossa cidade; a mídia vai expor Foz do Iguaçu para o mundo de maneira positiva”, comentou o presidente da ACIFI.
Com mais divulgação, maior o número de visitantes para a cidade e isso, ressalta Roni Temp, beneficia toda a economia. Um estudo feito em Los Angeles mostrou que só o retorno em imagem para uma cidade-sede dos jogos chega a US$ 50 milhões.
Outro ponto importante ressaltado pelo presidente da ACIFI é que Foz figurará juntamente com um grupo seleto de sedes dos jogos de esportes radicais, como sedes são Los Angeles e Aspen, nos Estados Unidos, Tignes (França), Barcelona (Espanha) e Munique (Alemanha). “Essa conquista eleva a autoestima do iguaçuense porque sabemos que estamos no mesmo nível das melhores cidades do mundo”, completou o presidente da ACIFI.
O anúncio do X Games, que será realizado entre 2013 a 2015, foi feito pela rede de televisão ESPN Internacional e transmitido ao vivo para 175 países, às 11h (horário de Brasília) na terça-feira (1º). Autoridades e iguaçuenses se reuniram numa mesma torcida para acompanhar o anúncio e se emocionaram com o resultado.
Para o prefeito Paulo Mac Donald Ghisi, a escolha foi mais um reconhecimento mundial à importância da cidade. “Depois da eleição das Cataratas do Iguaçu como uma das sete maravilhas da natureza [promovido pela fundação suíça New Seven Wonders, agora os americanos escolhem Foz para sede dos X Games. E os americanos são extremamente rigorosos, sabem o que fazem”, afirmou. Marcelo Doria, da BSB, empresa especializada em negócios do esporte, a infraestrutura de Foz foi primordial para a cidade ser escolhida como sede.
Para o superintendente de Comunicação da Itaipu Binacional, Gilmar Piolla, o evento vai consolidar Destino Iguaçu como destino também de esportes radicais. “Temos todo um roteiro propício para isso, que inclui rapel, escalada, rafting nas Cataratas do Iguaçu e arborismo, por exemplo, que ganhará projeção nacional e, principalmente, internacional”, afirmou.

Jogos – Os X Games são produzidos pelo ESPN, canal americano de esportes que atinge 400 milhões de domicílios em todo o mundo. Os jogos são considerados uma olimpíada de esportes radicais, com disputas em quatro modalidades – moto, rally, skate e bike BMX – e 19 categorias, e devem atrair mais de 20 mil atletas e um público estimado em 100 mil pessoas a cada edição anual, somando todas as cidades – sedes.
Para Foz do Iguaçu, já em 2013 devem vir 15 categorias das quatro modalidades. As disputas serão no Parque Nacional do Iguaçu, na usina de Itaipu e numa área em frente ao Centro de Convenções, segundo Marcelo Doria, da empresa BSB, especializada em negócios do esporte. Foi a BSB que propôs a vinda dos X Games para Foz, fugindo assim do eixo Rio-São Paulo.
O secretário municipal de Esportes, Márcio Ferreira, ressaltou a mobilização dos setores públicos e privados na disputa para atrair os X Games. “Foz do Iguaçu, que já é reconhecida mundialmente como um destino contemplativo, agora também passa a ser também um destino de esportes radicais”.
A mesma opinião é compartilhada pelo secretário municipal de Turismo, Felipe Gonzalez, pelo presidente do Iguassu Convention & Visitors Bureau, Mauro Sebastiany, e pelo vice-presidente do Conselho Municipal de Turismo, Paulo Angeli. “A visibilidade que Foz do Iguaçu vai ganhar com esses jogos não tem preço”, disse González, atribuindo grande parte da conquista à Gestão Integrada do Turismo, “que proporcionou um trabalho de cooperação entre o poder público e a iniciativa privada sem igual”.
Para Sebastiany, enquanto as cidades brasileiras vivem pensando nos anos de 2014 (Copa do Mundo) e 2016 (Olimpíadas), Foz do Iguaçu agora pode se planejar para 2013, 2014, 2015 e 2016.  (Com informações da Assessoria de Imprensa da Itaipu Binacional)