Unir forças dá resultado

(Andrea David, em 10 de fevereiro de 2015)

Empresas unem forças em núcleos setoriais, multissetoriais e territoriais como uma saída inteligente para os pequenos negócios

EmpreenderLivres da ideia antiga de que o concorrente é sempre um inimigo, donos de pequenas e médias empresas de Foz do Iguaçu têm trocado experiências e encontrado soluções para problemas em comum. Eles estão achando os atalhos para crescer na vida e adotar a estratégia de unir forças como uma saída inteligente para os pequenos negócios.

Esse resultado acontece graças ao Programa Empreender, uma parceria de várias entidades com a finalidade de apoiar empresas organizadas nos chamados núcleos setoriais, multissetoriais e territoriais. Orientadas por um consultor, as empresas constroem, coletivamente, alternativas para os objetivos comuns. Em Foz do Iguaçu, o programa é realizado pela ACIFI, Sebrae e Faciap.
Mais de cem profissionais estão unindo-se, por meio de dez núcleos setoriais, em busca da melhoria na gestão e desempenho de seus negócios. Todos estão descobrindo que podem conviver em harmonia e, juntos, por que não, melhorar suas empresas e, por consequência, o cenário do próprio segmento.

Ganhos – Esse convívio permite que todos fiquem bem informados sobre as novidades em diferentes áreas. Juntos, os pequenos negócios ganham mais densidade, para propor ações que os beneficiem coletivamente, como políticas públicas mais adequadas à realidade do setor. Também conseguem realizar compras coletivas com menores custos e poder de escala, ou seja, produção em grande quantidade.

Durante os encontros, os integrantes definem, por exemplo, cursos e palestras ideais para o setor, além de criar um ambiente propício para geração de negócios com demais associados (a ACIFI possui cerca de 1,1 mil sócios). Trata-se de uma aliança estratégica que gera impacto direto nos resultados das empresas, soma competências e otimiza a produtividade.

Atualmente, existem dez núcleos setoriais na associação: Comunicação, Eletricistas, Imobiliárias, Indústrias de Confecções, Livrarias e Sebos, Metalúrgicas, Tecnologia da Informação, Jovem Empreendedor, Mulher Empresária e Executiva, e Distrito Industrial. Para criar um núcleo, é preciso unir pelo menos sete empresas, sendo que sua criação depende apenas da iniciativa dos próprios empresários.

Eis alguns exemplos de retornos praticados para os nucleados: é possível comprar insumos mais baratos; fazer marketing mais barato; promover constantes capacitações e consultorias; ter acesso à inovação; conquistar novos mercados; manter o foco na melhoria da gestão; trocar experiências; aumentar a força institucional. Além disso, os núcleos são polos geradores de negócios.

Importância – Para o presidente da ACIFI, João Batista Oliveira, o Programa Empreender se consolidou como um eficiente meio de fortalecer diferentes setores da economia, além de cultivar o empreendedorismo nas empresas associadas. Ele explica que na prática, a proposta é unir empresários ou profissionais liberais, tornando parceiros que antes se viam como concorrentes.

“Os núcleos têm, portanto, o objetivo de dar mais força e sustentação aos empresários, na busca por suas demandas. Esse é um ponto-chave. Juntos, os empresários se tornam mais representativos e conseguem atuar em um nível que, individualmente, não conseguiriam”, afirmou Oliveira.

As reuniões são realizadas a cada duas semanas ou uma vez por mês, dependendo da necessidade do núcleo, com reflexos positivos no dia a dia de cada um. “A ideia é trocar experiências e identificar aspectos comuns para buscar, em conjunto, as soluções mais eficientes”, completou o presidente da ACIFI.

Abraçar – Para o coordenador do Empreender em Foz, Rudney Lopes Vargas, o diferencial do programa está na organização das pessoas com objetivo de conquistar benefícios coletivos. O bacana da proposta é reconhecer que todos têm afazeres em suas empresas, mas reservando um tempinho para o núcleo é possível ampliar o horizonte. “São pessoas voluntárias investindo seu tempo para trazer benefícios a todos”, analisou.

Vargas conta existir setores com dezenas de empresas na cidade, mas que não possuem qualquer tipo de organização ou capacidade de articulação para defender os seus interesses específicos.  “O momento é do associativismo. Isso faz a diferença. Ou nos abraçamos ou tudo fica mais difícil. Temos a sorte de ter na retaguarda a ACIFI para ajudar a organizar as empresas de forma simples e inovadora”, disse.

Sebrae e Faciap – A união da micro ou pequena empresa com outras do mesmo ramo é o caminho certo para a competitividade, argumenta o diretor de Operações do Sebrae no Paraná, Julio Cesar Agostini. “O empreender é trabalhar na base o associativismo empresarial, fazendo com que cada micro e pequena consiga mais vantagens que sozinhas não conseguiriam. A ação gera uma sinergia produtiva, buscando o êxito e a sustentabilidade”, explicou.

Já para o gestor do Empreender no Paraná, Marcio Vieira, o programa tem desempenhado um papel fundamental de propagador de boas práticas em competitividade e empreendedorismo em Foz do Iguaçu e em todo o Paraná. “Vemos empresários que, juntos, deixam de se ver como concorrentes e passam a trabalhar conjuntamente, buscando sempre melhorias para os seus respectivos setores”, destacou.

Segundo ele, como resultado dessa importante parceria entre ACIFI, Faciap e Sebrae/PR, os dez núcleos setoriais ativos realizam capacitações e compras conjuntas, entre outras ações que, somadas, fortalecem não apenas as empresas locais, mas toda a economia do município. Em todo o estado do Paraná, existem 2,9 mil empresas nucleadas.

O sucesso está no associativismo

O diretor de Operações do Sebrae no Paraná, Julio Cesar Agostini, detalha nesta entrevista as razões do sucesso do Programa Empreender e relaciona outros reflexos positivos para a economia local e à associação comercial.

Revista ACIFI – O Programa Empreender deixa para trás a ideia de que empresas do mesmo setor são inimigas?
Julio Cesar Agostini –Esse é um paradigma já antigo. O Empreender demonstra exatamente o contrário. Empresas de um mesmo segmento também se devem ver como aliadas, e não apenas como concorrentes. Elas podem competir no mesmo mercado, mas elas, em algum momento, podem juntar forças para gerar melhores resultados para os seus empreendimentos.

Revista ACIFI – Qual é o segredo do sucesso do Empreender?
Agostini – O sucesso está no associativismo. Através da aliança, incentivamos os empreendimentos a organizar ações conjuntas para soluções internas dentro das empresas ou mesmo externamente na comunidade. Dessa maneira, a pequena empresa consegue gerar mais valor, diminuir os seus custos e, por isso, ser mais competitiva.

Revista ACIFI – Os núcleos setoriais acabam valorizando o segmento?
Agostini – Justamente. Um setor desorganizado pode, através dessa ferramenta, ajudar a valorizar as empresas nucleadas, os profissionais organizados. Esse conjunto de empresas e profissionais consegue, juntos, aumentar o seu reconhecimento. Isso democratiza o desenvolvimento.

Revista ACIFI – Eles são o caminho para o desenvolvimento?
Agostini – O núcleo simboliza o capital social, porque para promover o desenvolvimento econômico é preciso desenvolver o capital social. Isso ocorre através do associativismo. É essa célula básica de força conjunta que permite ao conjunto de empresas nucleadas ser mais competitivo.

Revista ACIFI – De que forma a participação em núcleo amplia os laços com a associação comercial?
Agostini – Quando uma empresa está dentro de um núcleo, ela participa mais ativamente da vida da sua associação comercial. Assim ela consegue ter mais benefícios dessa participação. Os benefícios de uma empresa ao participar de uma entidade empresarial estão diretamente ligados ao grau de comprometimento e envolvimento, do seu tempo de disponibilidade. O núcleo facilita você a tratar do seu interesse em específico. Ao compartilhar isso com outros atores, você transforma em possível aquilo que seria impossível de fazer sozinho.

SERVIÇO:
Programa Empreender
Para participar de um núcleo setorial, a empresa deve integrar a ACIFI. O programa é coordenado pela entidade, em parceria com a Faciap e o Sebrae. Informações sobre o Empreender no site www.acifi.org.br e pelo telefone (45) 3521-3300.

Em muitos casos, as soluções também podem ser compartilhadas. Essa é a linha mestra do Programa Empreender, desenvolvido em Foz do Iguaçu pela ACIFI, em parceria com a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do estado (Faciap) e o Sebrae. Empresários se reúnem em núcleos setoriais, multissetoriais e territoriais, e, juntos, ganham mais poder para solucionar questões do dia a dia e traçar estratégias de desenvolvimento dos seus respectivos negócios.
O Programa Empreender foi inspirado em um modelo alemão de formação empreendedora, trazido para o Brasil em 1992.

Como criar?
Para criar um núcleo, é preciso unir pelo menos sete empresas, sendo que sua criação depende apenas da iniciativa dos próprios empresários.

Vantagens para empresas que participam de núcleos setoriais:

* A resolução conjunta de problemas em comum.
* O constante foco em melhorias de gestão.
* A oportunidade de troca de experiências.
*A força institucional que a empresa ganha.
*O acesso a capacitações, consultorias e aprendizado constante.
* Compra de insumos mais baratos.
* Acesso à inovação.
* Conquista de novos mercados.

NÚCLEOS NA ACIFI

Comunicação
Eletricistas
Imobiliárias
Indústrias de Confecções
Livrarias e Sebos
Metalúrgicas
Tecnologia da Informação
Jovem Empreendedor
Mulher Empresária e Executiva
Distrito Industrial

*Matéria publicada na edição número 04 da Revista ACIFI. O conteúdo desta e outras reportagens está disponível no site www.revistaacifi.com.br

 

COMPARTILHAR: