Entidades reivindicam transparência da mesa diretora da Câmara de Vereadores

(Alexandre Palmar, em 27 de dezembro de 2018)

Entidades de classe da sociedade civil organizada emitiram uma nota pública conjunta para reivindicar transparência da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Foz do Iguaçu eleita no dia 18 de dezembro. O documento aponta a importância de o legislativo iguaçuense evitar erros do passado, além de buscar eficiência e redução de gastos.

O manifesto destaca a função do Observatório Social de Foz do Iguaçu, dos conselhos municipais e organizações de classe defendendo a correta aplicação da lei, a obediência aos princípios da moralidade, da publicidade de todos os atos realizados e da eficiência na gestão pública, cobrando de forma idêntica o poder executivo e o legislativo.

Leia o documento na íntegra.

NOTA PÚBLICA 

O Observatório Social de Foz do Iguaçu e as entidades abaixo nominadas vêm a público dirigir-se à Mesa Diretora da Câmara de Vereadores desta cidade, eleita no dia 18 de dezembro de 2018.

Após a cidade ter sofrido com as recentes acusações de envolvimento do ex-prefeito e de quase todos os vereadores da legislatura anterior em crimes contra o patrimônio público, gerando repercussão negativa em âmbito nacional, vários movimentos oriundos da sociedade civil e dos órgãos públicos competentes surgiram com o objetivo de combater tal situação. Em seguida, pudemos observar a pronta reação da nova legislatura, que vem buscando reestabelecer gradativamente a imagem do poder legislativo iguaçuense, desenvolvendo um trabalho fundamental para o avanço do município, sobre o qual precisamos continuar nos dedicando com cada vez mais afinco e dedicação, até que consigamos obter sucesso nesta tarefa.

Importante lembrarmos que durante esta caminhada, coube e continuará cabendo à sociedade civil organizada o papel de atuar de maneira atenta e proativa, através de todos os mecanismos existentes de controle social, ao modo do Observatório Social de Foz do Iguaçu e dos Conselhos Municipais, defendendo a correta aplicação da lei, a obediência aos princípios da moralidade, da publicidade de todos os atos realizados e da eficiência na gestão pública, cobrando de forma idêntica o poder executivo e o legislativo, visando a manutenção do clima de otimismo e de esforço para que as tão almejadas mudanças na forma de fazer política neste País e nesta cidade sejam alcançadas, em algum momento, em pleno êxito.

Para termos uma ideia sobre as condições atuais de nosso município no quesito transparência, basta analisarmos nosso posicionamento na “Escala Brasil Transparente”, divulgada pelo Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União, onde obtivemos nota 4,79, sendo que a média geral dos Estados é de 7,94, das Capitais 8,08 e dos Municípios 6,50, mostrando que muito ainda precisamos evoluir e avançar na gestão pública de nosso município.

Por isso, será de grande importância que esta Casa de Leis possa manter uma postura sempre receptiva ao trabalho das entidades de controle social, que atuam com o firme propósito de fiscalizar os agentes e a aplicação dos recursos públicos em nosso município, em todos os âmbitos.

Agindo assim, conseguiremos ampliar nossos índices de transparência e qualidade na gestão pública, afastando qualquer possibilidade de Foz do Iguaçu voltar a figurar de maneira negativa nos noticiários estaduais e nacionais, defendendo nossa cidade de toda e qualquer conduta que possa imputar imagem negativa que coloque em risco o normal andamento das atividades empresariais e econômicas do município.

Desta forma, mantendo uma postura vigilante e comprometida, nos colocamos à inteira disposição dos integrantes da nova mesa diretora e demais vereadores da Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, para contribuirmos com a ampliação do diálogo e dos avanços ainda necessários no processo de transparência da gestão pública municipal de nossa cidade.

Foz do Iguaçu, 26 de Dezembro de 2018 

Leonor Venson
Presidente do Observatório Social de Foz do Iguaçu 

Faisal Mahmoud Ismail
Presidente da ACIFI (Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu)

Walter Venson
Presidente do Conselho Superior da ACIFI 

Valter Cândido Domingos
Presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) – Subseção de Foz 

Mário Alberto Chaise de Camargo
Presidente do CODEFOZ (Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu)

Danilo Vendruscolo
Programa Oeste em Desenvolvimento 

Carlos Antonio da Silva
Presidente do COMTUR (Conselho Municipal de Turismo)

Licério Santos
Presidente do SINDETUR (Sindicato das Empresas de Turismo de Foz do Iguaçu)

Amauri Nascimento
Diretor do SESCAP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado do Paraná)

Ocivaldo Gobeti
Presidente do Sincofoz (Sindicato dos Contadores e Técnicos em Contabilidade de Foz)

Nelson Mendes
Presidente da Associação Médica de Foz do Iguaçu 

Ruberlei Santiago Domingues
Presidente da AEFI (Associação dos Arquitetos, Agrônomos e Engenheiros de Foz do Iguaçu)

Evandro Stelle Teixeira Filho
Presidente do CRA/PR (Conselho Regional de Administração do Paraná) Seccional de Foz do Iguaçu)

Elizangela de Paula Kuhn, Vice-presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina
CRCPR (Conselho Regional de Contabilidade do Paraná)

Neuso Rafain
Presidente do Sindhotéis (Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Foz do Iguaçu e Região) 

Jaime Nascimento
Presidente do Visit Iguassu 

Odivan Edggert
Presidente da Regional Oeste/PR da ABIH (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Paraná)

Felipe Gonzalez
Delegado da Regional Oeste/PR da ABAV (Associação Brasileira de Agências de Viagem)

Jaime Mendes
Presidente do Instituto Polo Internacional Iguassu 

Paulo Angeli
Vice-Presidente da ABEOC (Associação Brasileira de Empresas Organizadoras de Congressos) 

Mayara Angeli
Diretora do IDESTUR (Instituto de Desenvolvimento do Turismo, Cultura, Esporte e Meio Ambiente)

COMPARTILHAR: